Curso de Aplicaçoes WEB em PHP: 04. Instalação e configuração em ambiente windows

Author: Ricardo Soares - Postado em: 07/09/2009
Relacionado as categorias: Guias e Tutoriais, Tecnologia, Diversos |  





Curso de Aplicaçoes WEB em PHP: 04. Instalação e configuração em ambiente windows

Servidor Apache

O servidor http que será utilizado neste curso é o Apache, que está disponível para download em “http://www.apache.org/httpd.html”. A instalação do Apache é bastante simples, similar a qualquer aplicação windows. A única restrição é que o winsock2 deve estar instalado no sistema. Se não estiver, o download pode ser feito em:

http://www.microsoft.com/windows95/downloads/contents/wuadmintools/s_wunetworkingtools/w95sockets2/

Depois de instalado, é necessário fazer a configuração do servidor, através do arquivo httpd.conf. Todas as configurações estão comentadas. O mínimo que deve ser configurado é o diretório onde os documentos estarão, através da opção DocumentRoot. Basta procurar a opção e escrever o nome do diretório em seguida, como no exemplo:

DocumentRoot "C:\vivas\"

Uma outra configuração básica é a DirectoryIndex, que informa ao servidor quais os arquivos serão exibidos automaticamente como índice do diretório. É isso que faz com que ao digitar, por exemplo,“www.guia-aju.com.br, o servidor saiba qual dos arquivos do diretório deve ser exibido. Abaixo temos um exemplo da utilização do DirectoryIndex:

DirectoryIndex index.html index.htm index.php3

Feito isso, crie um arquivo com um dos nomes definidos como índice e coloque no diretório definido como root. Execute o servidor Apache e tente acessar o endereço “http://localhost” pelo browser. Se a página for exibida, é porque o servidor foi instalado corretamente.

PHP

O PHP pode ser conseguido em “www.php.net”, e sua instalação também é simples. Basta descompactar os arquivos para o diretório “c:\php3” e editar o arquivo de configuração. O arquivo “php3.ini-dist” deve ser copiado para o diretório do windows (geralmente c:\windows ou c:\winnt) com o nome php3.ini. Depois de copiado, o arquivo pode ser editado, bastando modificar a linha extension_dir, que deve conter o diretório onde estão os módulos (c:\php3). Veja o exemplo:

extension_dir = c:\php3

Além disso é necessário descomentar a linha referente o módulo mysql, já que iremos utilizá-lo basta tirar o “;” (ponto-e-vírgula) do início da linha:
;extension=php3_mysql.dll

Feito isso, podemos partir para a configuração do servidor Apache, necessária para que este reconheça o PHP. Editando novamente o arquivo httpd.conf, as linhas a seguir devem ser adicionadas no final do arquivo:

ScriptAlias /php3/ "c:/php3/"
AddType application/x-httpd-php3 .php3 .php
Action application/x-httpd-php3 "/php3/php.exe"

A primeira linha define o diretório onde está o PHP. A segunda cria um “tipo” para o PHP, definido que todos os arquivos com as extensões “.php3” e “.php” devem passar pelo interpretador PHP. A terceira linha define o executável do interpretador PHP.

Depois de salvar o arquivo, podemos testar se a instalação do PHP foi bem sucedida. A melhor maneira é criar um arquivo chamado teste.php3 e salvar no diretório raiz do servidor Apache. O arquivo deve conter a seguinte informação:

<? phpinfo(); ?>

Acessando a página através do servidor (http://localhost/teste.php3), devemos ter como resultado uma listagem de todas as configurações do PHP, incluindo o módulo mysql, que foi definido como ativo no arquivo php3.ini.

mySQL

O banco de dados mySQL pode ser conseguido em “http://www.mysql.com/download.html”. Sua instalação também é bastante simples, também no modelos de instalação de qualquer aplicativo para Windows.

As configurações necessárias são relativas a segurança, e exigem um conhecimento mais avançado de administração de servidores. Como essa instalação destina-se apenas a praticar o PHP, não é necessário fazer muitas alterações na segurança, bastando apenas saber como adicionar usuários.

Para isto, basta utilizar o comando GRANT, que tem a seguinte sintaxe:

GRANT privilegio [(lista_colunas)]
      [, privilegio [(colunas)] ...]
 ON { tabela | * | *.* | db.* }
 TO usuario [IDENTIFIED BY ’senha'][, usuario [IDENTIFIED BY ’senha'] ...]
 [WITH GRANT OPTION]

Onde privilégio é uma das palavras reservadas listadas a seguir: ALL PRIVILEGES, FILE, RELOAD, ALTER, INDEX, SELECT, CREATE, INSERT, SHUTDOWN, DELETE, PROCESS, UPDATE, DROP, REFERENCES, USAGE

Cada palavra representa um tipo de acesso à(s) coluna(s), tabela(s) ou base(s) de dados listadas logo depois da cláusula ON.

Usuário deve conter o nome do usuário (login) e o host permitido (ex.: teste@localhost).

Abaixo temos um exemplo da utilização do comando grant:

GRANT SELECT, INSERT, UPDATE ON * TO vivas@localhost IDENTIFIED BY “senhateste”;

O exemplo cria o usuário “vivas”, com a senha “senhateste”, que só pode acessar da mesma máquina onde está o servidor (localhost), e só pode utilizar os comandos select, insert e update.

Também é possível adicionar usuários utilizando o comando INSERT, pra alterar diretamente na tabela de privilégios, que é a tabela “user” da base de dados “mysql”, que possui os campos para definir nome de usuário, host, senha, e permissões específicas.













Comments

Leave a Reply






Últimos posts